Ultrassonografia Básica em Obstetrícia, Pélvica via abdominal , via transvaginal e Mamária
06/10/2014 à 17/10/2014 Ultrassonografia Básica Geral
06/10/2014 à 24/10/2014 Ultrassonografia Pélvica via transvaginal
13/10/2014 à 17/10/2014 Ultrassonografia Mamária
13/10/2014 à 17/10/2014 Atualização em Ultrassonografia
20/10/2014 à 24/10/2014 Ultrassonografia da Tireóide
20/10/2014 à 24/10/2014 Ultrassonografia em Medicina Interna
20/10/2014 à 24/10/2014 Procedimentos invasivos no diagnóstico das patologias da Tireóide
24/10/2014 à 25/10/2014 Intensivo de Ultrassonografia Morfológica Fetal
27/10/2014 à 29/10/2014 Ultrassonografia Obstétrica com Doppler
29/10/2014 à 31/10/2014 Ecografia Eco Color Doppler Vascular Geral
29/10/2014 à 02/11/2014 Ultrassonografia Básica em Obstetrícia, Pélvica via abdominal , via transvaginal e Mamária
01/12/2014 à 12/12/2014 Doppler Colorido de Carótidas, Vertebrais e Torácicas Internas
05/12/2014 à 07/12/2014 Ultrassonografia Pélvica via transvaginal
08/12/2014 à 12/12/2014 Ultrassonografia Mamária
08/12/2014 à 12/12/2014 Procedimentos invasivos no diagnóstico das patologias Mamárias
12/12/2014 à 13/12/2014 Ultrassonografia Básica em Obstetrícia, Pélvica via abdominal , via transvaginal e Mamária
12/01/2015 à 23/01/2015 Ultrassonografia Básica Geral
12/01/2015 à 30/01/2015 Ultrassonografia Mamária
19/01/2015 à 23/01/2015 Ultrassonografia Pélvica via transvaginal
19/01/2015 à 23/01/2015 Procedimentos invasivos no diagnóstico das patologias Mamárias
23/01/2015 à 24/01/2015 Ecografia Vascular Geral de Membros Inferiores - Venoso
23/01/2015 à 25/01/2015 Atualização em Ultrassonografia
26/01/2015 à 30/01/2015 Ultrassonografia da Tireóide
26/01/2015 à 30/01/2015 Ultrassonografia em Medicina Interna
26/01/2015 à 30/01/2015 Ultrassonografia Prostática com biópsia e de Bolsas Testiculares
30/01/2015 à 01/02/2015 Doppler Colorido de Carótidas, Vertebrais e Torácicas Internas
30/01/2015 à 01/02/2015 Intensivo de Ultrassonografia Morfológica Fetal
02/02/2015 à 04/02/2015 Ultrassonografia Obstétrica com Doppler
04/02/2015 à 06/02/2015

Dicas Ultrassonográficas

017 - Infiltração Gordurosa Hepática - Esteatose

Por CPU

O depósito de triglicérides dentro dos hepatócitos, caracteriza a infiltração gordurosa.

A obesidade é um fator predisponente importante, além do alcoolismo crônico, medicações anticolesterol e algumas drogas quimioterápicas.

Outras causas que também podem levar à infiltração gordurosa: diabetes, desnutrição, nutrição parenteral, uso de corticosteróides e toxinas como o tetracloreto de carbono.

A ultra-sonografia cumpre um papel bastante importante na propedêutica diagnóstica, já que pode ser o primeiro exame a ser solicitado, no caso de suspeita de esteatose.

Trata-se de uma avaliação fácil e rápida do fígado.

A infiltração gordurosa hepática geralmente ocorre de forma difusa, aumentando uniformemente a ecogenicidade de seu parênquima, além disso, sua ecotextura torna-se mais fina. É o chamado “fígado brilhante”.

Na prática, podemos comparar a ecogenicidade hepática com a ecogenicidade da cortical renal e também com a ecogenicidade do pâncreas. Normalmente, o fígado já é mais ecogênico que a cortical renal, porém esta diferença se acentua mais. O pâncreas normalmente é mais ecogênico que o fígado. Quando o fígado se assemelha em ecogenicidade com o pâncreas, a esteatose deve ser suspeitada.

Com o aumento acentuado da ecogenicidade hepática, ocorre uma atenuação acústica importante posteriormente, o que impede a visualização adequada das regiões hepáticas mais profundas e eventualmente até do diafragma. Além disso, a atenuação sonora, impede a visualização adequada dos vasos hepáticos.

Eventualmente, o fígado pode ter infiltração gordurosa parcial.
Neste caso, as áreas poupadas, de parênquima hepático normal, não devem ser confundidas com lesões hipoecogênicas focais.

Habitualmente, os locais poupados são: área em frente ao ramo direito da veia porta, área próxima à bifurcação porta ou ao redor da vesícula biliar.

Estas regiões que são geralmente poupadas, geralmente tem formas irregulares, diferentemente de lesões, que geralmente são ovaladas ou arredondadas.

Nos casos de infiltração gordurosa hepática focal, nodular, nota-se uma pequena área hiperecogênica.

O local mais freqüente é no lobo esquerdo (segmento medial), adjacente ao ligamento falciforme, mas pode ocorrer em qualquer local do fígado.

No diagnóstico diferencial deste tipo de infiltração, entram o hemangioma hepático e as metástases. Obviamente, quando o paciente não apresenta nenhuma doença maligna em curso, a infiltração metastática é descartada.

Quando os focos de infiltração gordurosa são múltiplos e principalmente em localizações atípicas, simulando nodulações hepáticas hiperecogênicas focais, os diagnósticos de metástases hepáticas e hemangiomas múltiplos entram no diagnóstico diferencial.

Nestes casos, é necessária a ressonância nuclear magnética para diagnosticar a infiltração gordurosa nodular.

Acesso Rápido
Endereço

Rua Olavo Bilac, 906
CEP 14020-020
Ribeirão Preto - SP

*Próximo às avenidas: Independência e 9 de Julho.

Central de Atendimento
0800.183344

Fax
(16) 3632.4543

Telefones
(16) 3632.4543
(16) 3625.7795
(16) 3625.8051

Contato após às 18:00 h, sábados, domingos e feriados
(16) 99711 1299 - Paula Silveira







© 2010, CPU. Todos os direitos reservdos. Desenvolvido por G4web Agência de Internet.